Ferroeste tem crescimento de 13% na movimentação de contêineres no 1º semestre

Compartilhar

O balanço operacional da Ferroeste (Estrada de Ferro Paraná S/A) dos primeiros seis meses do ano indica que a empresa deve manter o bom desempenho registrado em 2019 e 2020, com os primeiros resultados positivos de sua história.

Entre janeiro e junho circularam pelos trilhos da ferrovia entre Cascavel e Guarapuava 6.638 contêineres, volume 13% superior na comparação com os seis primeiros meses de 2020 (5.873).

Foram 800 mil toneladas de produtos, crescimento de 3% em relação ao mesmo período do ano passado (775 mil). Grãos de soja (550 mil/ton) e proteína animal (240 mil/ton) lideram a lista e correspondem quase à totalidade do que foi transportado. A empresa também movimentou produtos industrializados e fertilizantes.

Segundo a estatal, a alta pegou carona no aumento da produção de proteína animal no Paraná. Com esses números, há expectativa de ultrapassar a barreira de 1,3 milhão de toneladas do ano passado (janeiro a dezembro).

“Estamos evoluindo todos os anos, resultado influenciado pelo aumento do nosso desempenho operacional e pelo acordo de passagem com a Rumo. Nos tornamos mais ágeis e estratégicos para o setor produtivo, mostrando que o modal ferroviário começa a ser percebido de outra maneira no Paraná”, disse o diretor-presidente da Ferroeste, André Gonçalves.

Nestes primeiros meses a empresa também registrou lucro operacional de R$ 400 mil (já descontada a depreciação) e pode repetir o bom desempenho dos anos anteriores, encerrando o ano no azul. O resultado foi conquistado pela mudança de gestão que permitiu a geração positiva de caixa em 2019 (R$ 453 mil) e 2020 (R$ 1,27 milhão).

PERFIL – Quase tudo que percorre os trilhos da Ferroeste é produzido na região Oeste do Estado. O restante vem do Mato Grosso do Sul e do Paraguai. Cerca de 60% da soja segue com destino ao Porto de Paranaguá e os outros 40% desembarcam em Guarapuava para beneficiamento no município.

“Os vagões descem com soja e contêineres refrigerados e voltam com fertilizantes para as cooperativas locais que fazem a distribuição na região. Existe ainda um fluxo interno de cimento na região”, explicou o diretor Gerson Almeida, diretor de produção da Ferroeste.

O grande diferencial para esses resultados, segundo ele, foi a gestão de custos e a otimização das viagens para exportação e importação. Essa cadência ajudou, principalmente na redução do consumo de óleo diesel, que representa 35% do custo operacional. A regra é não perder nenhuma possibilidade de negócio.

“Apesar do volume estar muito parecido com 2020, a gestão de custos continua muito forte, além da busca por cada oportunidade”, afirmou. A empresa segue de olho em novos projetos e parcerias com clientes para reduzir os custos e tornar a ferrovia mais competitiva.

Um das conquistas recentes é um acordo com a Rumo Logística para ceder o direito de passagem pelos trilhos, o que amplia a capacidade de escoamento e diminui o tempo de transporte. Atualmente, a multinacional é responsável pela operação entre Guarapuava e o Porto de Paranaguá, enquanto a Ferroeste administra o trecho ferroviário entre Cascavel e Guarapuava.

FERROVIA – Hoje a Ferroeste opera um trecho que 246 quilômetros. O pátio da região Oeste abriga 14 empresas com um mix de produtos que varia entre químicos, cimento, grãos e farinha de trigo.

Dois estudos que estão em andamento avaliam a viabilidade técnica e econômica (EVTEA-J) e outro de impacto ambiental (EIA/RIMA) para a Nova Ferroeste, ligação entre Maracaju, no Mato Grosso do Sul, e Paranaguá, além de um ramal entre Foz do Iguaçu e Cascavel. O novo traçado, que vai utilizar a estrutura existente, passa por oito cidades do Mato Grosso do Sul e 41 do Paraná, e terá 1.285 quilômetros, 400% a mais que o original.

projeto deve ser finalizado em 2021 e levado para uma série de audiências públicas em todas as regiões impactadas. O investimento estimado é de R$ 25 bilhões. A execução será responsabilidade do vencedor do leilão na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), com previsão para o primeiro quadrimestre de 2022.

A Nova Ferroeste é estratégica para o País. O projeto foi qualificado como prioritário no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo federal. A inclusão garante celeridade na articulação com as entidades intervenientes, aquelas que acabam envolvidas nos processos de licenciamento, como Ibama, Funai, ICMBio e Incra.

FONTE: AEN 

Foto: Alessandro Vieira/AEN

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.