Equipamentos portáteis detectam agrotóxicos ilegais

Compartilhar

 

O Instituto de Tecnologia do Paraná vai participar de um projeto do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que busca combater o comércio e o uso ilegais de agrotóxicos. O acordo de cooperação técnica com a Superintendência Federal de Agricultura no Estado do Paraná (Mapa –SFA/PR) foi firmado nesta terça-feira (13). A iniciativa do projeto é do Ministério Público do Paraná (MP-PR).

Chamado de Sistema de Triagem Rápida de Agrotóxicos e Resíduos, o projeto utilizará equipamentos portáteis para a detecção de substâncias ilegais. O Tecpar contribuirá com a validação destes equipamentos, bem como com a confirmação das medições realizadas em campo por meio de análises laboratoriais.

Segundo o diretor-presidente do Tecpar, Jorge Callado, além da análise e triagem de agrotóxicos, o instituto será responsável pela pesquisa e desenvolvimento tecnológico, com ênfase no aprimoramento do uso dos equipamentos portáteis. “A pedido do Mapa, o Tecpar está compartilhando sua expertise e estrutura técnica neste importante projeto. O uso de equipamentos portáteis será uma importante ferramenta de apoio ao trabalho da fiscalização agropecuária e ambiental e das forças policiais no combate aos agrotóxicos ilegais”, diz o diretor-presidente do Tecpar.

Marcelo Bressan, chefe do Serviço de Fiscalização de Insumos e Sanidade Vegetal da Superintendência Federal de Agricultura no Paraná, destacou que o acordo é muito significativo para o setor do agronegócio, em especial por utilizar o equipamento portátil.

TECPAR – Laboratório de Agroquímica – N/F: Cromatógrafo à gás acoplado à espectômetro de massas. (analisa presença de agrotóxicos em alimentos e água)
Curitiba, 02-09-19.
Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

“Precisamos agir de imediato na fiscalização e os laboratórios convencionais têm seu tempo determinado para entrega do resultado. O equipamento portátil vai apoiar o fiscal a tomar a providência necessária na averiguação. Vamos contar com o apoio do Tecpar para desenvolver a tecnologia para que consigamos os melhores resultados desse equipamento”, afirma.

A ação também será importante para detectar agrotóxicos em florestas, mananciais, solo, água e outros ambientes sensíveis, com foco na sustentabilidade no Paraná. O projeto tem duração prevista de três anos.

Em campo, as equipes de fiscalização do Mapa e da Adapar farão a avaliação das amostras e substâncias suspeitas utilizando os equipamentos portáteis – espectrômetro no infravermelho com transformador de Fourier (FTIR).

 

Fonte: AENotícias

 

Foto: Arnaldo Alves/AEN

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.