Crise hídrica ameaça escoamento da produção pela hidrovia Paraná-Tietê

Compartilhar

 

#souagro | A hidrovia Paraná-Tietê deverá reduzir a movimentação de cargas em função da crise hídrica que assola algumas regiões do País. A informação foi confirmada pelo ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, em entrevista concedida ao Canal Rural. A finalidade é a de preservar os recursos hídricos tendo em vista a geração de energia elétrica para o País. A expectativa é que a partir de agosto, haja um racionamento maior de água, impedindo a movimentação na hidrovia.

Medidas foram tomadas nas últimas semanas para garantir o fluxo das embarcações, graças a um acordo firmado com a ANA (Agência Nacional das Águas), com a disponibilização da vazão em ondas. Durante o dia, a vazão é controlada, liberando ondas em horários específicos com o objetivo de garantir a navegabilidade. Entretanto, essa prática não deverá ser mantida nos próximos dias, comprometendo desta forma a fluidez das operações de movimentação de cargas na hidrovia.

Os aumentos dos custos com o fechamento da hidrovia são certos, mas há alternativas de logísticas de transporte durante esse período, como por meio de caminhões e locomotivas. O Ministério da Infraestrutura informa que um comitê de crise será formado para decidir de fato a interrupção do trânsito de embarcações na hidrovia até a publicação de um comunicado por parte da ANA sobre a decisão.

Entidades como a Associação Brasileira de Indústria de Óleos Vegetais e a Aprosoja já se manifestaram contrárias a interrupção do tráfego na hidrovia. Atualmente, mais de 20 comboios de cargas de diversas empresas de transporte fluvial utilizam a hidrovia para escoar a produção, ou seja, isso faz com que sejam retirados das estradas 2,5 mil caminhões, reduzindo custos logísticos e minimizando o risco de acidentes nas estradas e emissão de poluição.

Ao todo, são 1.023 quilômetros utilizados para navegação, se estendendo da Usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu até as usinas de São Simão, em Goiás e Água Vermelha no Rio Grande, em Iturama, Minas Gerais.

(Vandré Dubiela/Sou Agro, com informações do Canal Rural)

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.