ESPECIAIS

Aumento do combustível e o impacto na cadeia do agronegócio

Compartilhar

SOUAGRO | A Petrobras anunciou que o preço do litro da gasolina para as distribuidoras foi reajustado para R$ 2,69, e o do óleo diesel para R$ 2,81, refletindo reajustes médios de R$ 0,16 e R$ 0,10 por litro, respectivamente. Com isso, os dois combustíveis vão aumentar 6,3% e 3,7%, respectivamente a partir desta terça-feira (6).

Com esse reajuste, já são oito aumentos desde janeiro deste ano. O último aconteceu nas refinarias em 15 de abril, quando o valor médio da gasolina aumentou 1,9% por litro, e o do diesel 3,7% por litro.

Em junho, a Petrobras chegou a reduzir o valor da gasolina em 2% nas refinarias, mas não o do diesel.

O impacto é grande na cidade, e o campo também sofre, principalmente com o reajuste do diesel que influencia na cadeia do agronegócio.

O Souagro conversou com a produtora rural, Andrea Morschbacher que tem propriedade em Toledo, região oeste do Paraná.

ASSISTA O RELATO DA PRODUTORA RURAL.

‘’O aumento do preço do óleo diesel, definitivamente não é uma boa notícia para nós produtores rurais. Há exatos um ano atrás, o insumo em questão valia em torno de 2,50 e hoje passa a valer mais de 4,00 por litro. Esse insumo impacta negativamente nossa atividade porque ele é utilizado desde o preparo do solo, ao plantio, todos os tratos culturais, a colheita e inclusive, o frete. Estamos preocupados porque esse aumento pode ser refletido no preço dos óleos lubrificantes.’’

POSSIBILIDADE DE GREVE: 

O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas, convocou uma paralização dos profissionais para o próximo dia 25 de julho.

Segundo do CNTRC, o objetivo é protestar contra os constantes reajustes de preço do diesel. De acordo com comunicado divulgado, os aumentos são abusivos. Bem como “ferem o Código de Defesa do Consumidor”.

CLIQUE AQUI PARA LER O COMUNICADO NA ÍNTEGRA. 

O QUE DIZ A PETROBRAS:

A Petrobras, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que “busca evitar o repasse imediato para os preços internos da volatilidade externa causada por eventos conjunturais”, mas que se mantém alinhada ao mercado internacional.

A estatal reforça, ainda, que os valores praticados nas refinarias são diferentes dos percebidos pelo consumidor final no varejo. “Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais; custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis no caso de gasolina e diesel; custos para envase pelas distribuidoras no caso do GLP; além dos custos e margens das companhias distribuidoras e dos revendedores”, explica o comunicado da empresa.

FOTO: Marcelo Camargo/Mauro Pimentel

(AMANDA GUEDES /SOU AGRO)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.