ESPECIAIS

O doce resultado do maracujá

Compartilhar

 

#souagro | Produtor de uva há 30 anos, Pedro Hanay, de Marialva, no Paraná, aposta na produção de maracujá há 6 anos. Na propriedade, ele cultiva três espécies: pérola, cerrado e peroba. Além do maracujá azedo, bastante conhecido, existe também o maracujá doce. Foi a partir da adversidade que seu Pedro decidiu investir na produção de maracujá. Com o baixo retorno financeiro da uva, ele decidiu investir na produção de outra fruta. “Há seis anos, tive problemas com a falta de valorização do preço da uva no mercado, encarecendo a mão de obra, e com incentivo da Prefeitura de Marialva, decidiu plantar maracujá”, conta.

Até então ele não conhecia nada sobre o manejo do maracujá. Pesquisando o contando com o suporte da assistência técnica, ele começou a desenvolver a produção do fruto em sua propriedade. “Aproveitando toda a estrutura da uva, iniciei com 80 pés de maracujá para aprender como seria trabalhar com a cultura”.

De acordo com ele, trata-se de uma atividade que necessita de atenção, entretanto, considerada mais tranquila que a uva, com o fator positivo de não precisar aplicar produtos como na viticultura. “Se comparamos com a uva, o custo de produção é bem mais em conta, tanto na parte da mão de obra como na aplicação de produtos químicos, ou seja, o retorno é muito melhor do que com a uva”.

Crise hídrica avança do campo para a cidade

O interessante é o horário ideal para a polinização de área, manual nas flores de maracujá. A polinização manual tem sido o diferencial no caso do maracujá azedo. A diferença de produção tem sido de até 35%. “Toda a polinização é feita manualmente, todos os dias, sem descanso no sábado e domingo. A partir da abertura da flor, que acontece entre 13h30 e 14h, isso vai depender das condições do clima. É preciso fazer toda essa atividade para ter um ganho real de peso do fruto”, relata.

Produtores rurais cada vez mais conectados

O maracujá doce, também presente na propriedade de seu Pedro, não requer a polinização manual para frutificar e bem resistente a doenças e pragas, além de ser um fruto bem aceito no mercado.  O espaçamento de cultivo é de 2 metros por 2,5 metros e o valor do custo de implantação, com a muda pronta, é em média de R$ 5. O mercado hoje tem pago em média, R$ 5 o quilo de maracujá. Toda a produção é destinada a atender o comércio de Maringá.

Esse ano, havia uma expectativa boa de produção, mas a interferência do clima comprometeu os resultados. Para esse ano, precisão de 18 mil quilos por hectares. Nos outros anos, chegou a 25 mil a 27 mil quilos por hectare. Quando ao preço, até o momento está compensando, em função do clima tem menor oferta de produto e com isso, o preço se mantém satisfatório.

 

PRAGAS E DOENÇAS

Como em todas as outras culturas, o produtor precisa ficar atento quanto às pragas e doenças. No parreiral de maracujá, elas também estão presentes. Armadilhas são suspensas em pontos estratégicos do parreiral para fazer o controle das pragas sem aplicação de inseticidas, preservando a saúde de quem irá consumir o fruto.

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.