FRANGO: Em 10 anos, Brasil exportou 37,4 milhões/ton e faturou US$ 64,4 bi

Compartilhar

 

Dados da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) apontam que nos 10 anos decorridos entre 2010 e 2019 as exportações mundiais de carne de frango in natura totalizaram 131,5 milhões de toneladas, volume que gerou para os países exportadores receita cambial de US$215,4 bilhões.

No volume total exportado, a maior participação – 28,4%, correspondentes a 37,4 milhões de toneladas – foi a do Brasil, vindo a seguir, praticamente empatados, União Europeia e EUA, com cerca de 25%-26% do total.

Porém, se liderou em volume, o Brasil não registrou o mesmo desempenho na receita, pois os US$64,4 bilhões acumulados em 10 anos e correspondentes a perto de 30% da receita cambial total ficaram aquém dos US$71,4 bilhões gerados pelas exportações da União Europeia, correspondentes a praticamente um terço da receita total.

Milho: em 20 anos produção brasileira subiu de 40 mi/t para 100 mi/t

Crise hídrica avança do campo para a cidade

De toda forma, é fundamental esclarecer que os resultados referentes à União Europeia englobam todas as exportações efetuadas por cada país integrante do bloco e, portanto, incluem transações efetuadas intra e extra bloco. Assim, consideradas apenas as exportações extrabloco, a União Europeia cai para a terceira posição, abaixo dos EUA.

Esclarecimentos são devidos, também, à baixa participação da Tailândia. Que, nas informações de outras fontes, sempre aparece na quarta posição, atrás da União Europeia, mas à frente da China. Neste caso, os dados da FAO referem-se apenas à carne de frango in natura, item que, nos últimos anos, tem correspondido a apenas um terço das exportações daquele país.

Mesmo assim, ao correlacionar-se volume e receita, constata-se que o melhor preço médio é o da Tailândia. União Europeia vem a seguir – o que se justifica frente às transações internas do bloco e à negociação, quase exclusivamente, de cortes nobres.

Brasil, China e demais exportadores (estes respondendo por 14% do volume total) operaram com, praticamente, o mesmo preço médio. Os EUA vêm na última posição, com o menor preço – pouco mais de 60% do preço alcançado pelo Brasil.

 

Fonte: Avisite

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.