ESPECIAIS

Você viu isso? Estrada do Colono: reabrir ou não? Eis a questão

Compartilhar

 

#souagro | A notícia que você vai ler agora foi  mais acessada dos últimos dias. A reabertura da Estrada do Colono voltou a ser alvo do holofotes em Brasília, mais especificamente no Congresso Nacional, com um projeto de lei de autoria do deputado federal Vermelho. A proposta prevê a transformação do Caminho do Colono em Estrada-Parque.

Reconhecida pela Unesco em 1986 como Patrimônio Natural da Humanidade, a Estrada do Colono volta a despertar a atenção do mundo, principalmente dos ambientalista. Agora, o deputado federal Vermelho, lidera um movimento que passa o Projeto de Lei 984/19 para o regime de urgência.

A Estrada do Colono conta com 17,6 quilômetros de extensão e liga as regiões Oeste, por intermédio do município de Serranópolis do Iguaçu ao Sudoeste, pela cidade de Capanema. Palco de embates políticos e até mesmo de confronto entre agricultores e polícia, a Estrada do Colono agora está inclinada a se transformar em uma Estrada-Parque. O acesso que corta o Parque Nacional do Iguaçu foi fechado em 2001 por determinação da Justiça.

O projeto está na Câmara dos Deputados desde 2019, ano em que ocorreram diversas audiências públicas para retomar os debates em torno da reabertura ou não do Caminho do Colono. Para o deputado federal Vermelho, não há razão para voltar ao assunto se não tivermos condições de implantar uma Estrada-Parque que respeite a fauna e a flora existentes no local.

Proposta semelhante foi apresentada em 2013 e também tramita no Senado. O projeto prevê controle de acesso e trânsito e ações de educação ambiental. O Parque Nacional do Iguaçu é uma das maiores áreas remanescentes da Mata Atlântica e a única do bioma em que a população de onças-pintadas têm aumentado gradativamente.

Os agricultores de Serranópolis e de Capanema aguardam há anos pela reabertura, apostando na redenção econômica de suas localidades. Nos últimos anos, muitos abandonaram esses municípios por falta de oportunidade e movimentação no comércio, por ser considerado municípios de “fim de linha”.

 

Mata Atlântica: liminar afeta meio milhão de produtores no Paraná

PIB do setor agropecuário registrou alta de 5,7% no primeiro trimestre

 

Por outro lado, a Comissão de Direito Ambiental da OAB-PR, entende a medida como inconstitucional. “Se eu implementar uma estrada-parque, que é de uso sustentável, dentro de uma unidade de conservação integral, então eu tenho uma inconsistência nesse aspecto. Nós somos desfavoráveis a aprovação do aspecto de lei da forma como se encontra”, explica a advogada Patrícia Pellanda.

(Vandré Dubiela/Sou Agro, com agências)

 

Foto: Marcos Labanca

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.