ESPECIAIS

Saiba o que são pulses, os superalimentos do futuro

Compartilhar

 

#souagro | Grão-de-bico, ervilha, tremoço, feijão, homus, lentilha, fava. Sabia que esses alimentos têm um nome específico. Sim, são conhecidos como Pulses, já classificado como o alimento do futuro, por conter um elevado teor nutricional. Quem fala um pouco mais sobre o assunto é o presidente do Ibrafe (Instituto Brasileiro de Feijão e Pulses), Marcelo Lüders (foto abaixo).

A FAO, Organização para a Alimentação e Agricultura, braço da ONU (Organização das Nações Unidas), declarou 2016 como o ano internacional das pulses. Primeiro, porque consideram uma emergência alimentar o mundo. Em segundo, o estímulo ao consumo e a uma alimentação mais saudável e em terceiro, pois tratar-se de uma questão de sustentabilidade. “E o menor uso de recursos naturais por quilo de proteína entregue”, comenta Lüders, acrescentando que existe uma tendência mundial de consumo a alimentos menos industrializados.

 

Veja o vídeo produzido pela FAO em 2016, considerado o Ano das Leguminosas:

 

Hoje, os principais consumidores de pulses no mundo são os veganos e vegetarianos. A aquafava é um dos alimentos que podem ser extraídos do grão-de-bico. É a água do cozimento desta pulse, com capacidade emulsificante. “É como uma clara de ovo, virando um suspiro”. Inclusive, é possível produzir sorvete de aquafava, em substituição ao ingrediente leite e recomendando para quem tem tolerância à lactose.

As pulses fazem parte da Revolução Verde 4.0. Recente publicação internacional aponta que, em 2050, seremos 9 bilhões de pessoas no mundo e para suprir a carência de proteína dessa população, não haverá outra alternativa a não ser os alimentos nuts, inclusive o amendoim e o pistache. “Em 2050, cada ser humano para se alimentar, precisará ingerir o dobro de pulses que o brasileiro consome atualmente”.

Marcelo Lüders comenta que o ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, tem uma definição fantástica quanto ao alimento. “Comida é pasto”, e as pulses se encaixam perfeitamente nessa nomenclatura.

 

Fome x guerra

Nem mesmo a guerra é capaz de estimular que os povos deixem as cidades de origem. Porém, a fome, é um dos motivos causadores do efeito migratório. Um dos exemplos claros dessa realidade é a Venezuela. Sem comida, muitos abandonam tudo em busca de melhores condições de vida e de alimentação ao cruzar as fronteiras de seus países. A guerra também levou os sírios a invadir a Europa, a partir do momento em que os pratos começaram a ficar vazios. “A preocupação da FAO é evitar que os países tenham comida suficiente para evitar as ondas migratórias, causando o desequilíbrio institucional. É uma questão de sobrevivência e não meramente de nutrição”.

As pulses também têm uma pegada social e são extremamente viáveis para o pequeno produtor e ao sustento financeiro. “Há mais de dois mil produtos derivados das pulses”. O Brasil possui uma série de fatores favoráveis para a exploração e cultivo das pulses, como o clima e a tecnologia. “Somos realmente competitivos”. Cascavel já conta com áreas experimentais de pulses e pode se tornar, no futuro, a capital das pulses no Brasil.

(Vandré Dubiela)

 

VEJA TAMBÉM

Os desafios do mercado do feijão e a luta para elevar o consumo per capita

Vem aí o Diesel Verde

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.