Ministra comemora as certificações de estados junto à OIE

Compartilhar

 

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, comemorou o reconhecimento da Organização Mundial para a Saúde Animal, que na manhã de quinta (27) certificou como área livre de febre aftosa sem vacinação os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e 14 municípios do Amazonas e cinco do Mato Grosso. “É um marco histórico para a agropecuária brasileira. Essas novas áreas se juntam ao estado de Santa Catarina, que era o único estado até então com esse reconhecimento. O Brasil possui agora 44 milhões de cabeças de gado em áreas livres de febre aftosa sem vacinação, o que corresponde a 20% do nosso rebanho bovino. No caso da suinocultura, quase 50% do rebanho brasileiro passa a estar em zona sem vacinação, e 58% dos frigoríficos de abate com SIF (Serviço de Inspeção Federal), está localizado em regiões com novo status sanitário”, disse.

A declaração da ministra foi feita durante reunião em Brasília, com a presença de governadores, parlamentares e representantes do setor produtivo. Por meio de videoconferência, o governador do Paraná, Ratinho Junior, acompanhou o evento, juntamente com secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, e demais representantes do setor produtivo e dos serviços estaduais de sanidade. Também participou da reunião, o deputado federal Sergio Souza, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária.

 

Paraná conquista status internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação

“Conquistamos uma espécie de passaporte para a produção paranaense”, diz Ortigara

Paraná vira zona livre de peste suína clássica independente

 

Tereza Cristina ressaltou a importância do trabalho em parceria entre o Mapa e os serviços estaduais e o apoio dos produtores e entidades representativas da cadeia pecuária. “Os estados não mediram esforços para o cumprimento das exigências sanitárias. Estamos começando uma nova era, mas precisamos ter os serviços estaduais muito atuantes daqui para frente. A manutenção do status sanitário dependerá da continuidade do apoio e investimentos nos serviços de defesa agropecuária”, afirmou.

Segundo a ministra da Agricultura, “o reconhecimento da OIE confirma o elevado padrão sanitário da nossa pecuária e abre diversas possibilidades para que o Mapa trabalhe pelo alcance de novos mercados para a carne suína e bovina, e a ampliação dos tipos de produtos a serem exportados”, concluiu.

 

Fonte: MAPA

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.