Lácteos tem valorização de preço no Paraná

Compartilhar

Com captação menor e demanda aquecida, os produtos lácteos tiveram valorização no Paraná, ao longo de maio. Praticamente todos os itens comercializados ganharam preço em relação a março, consolidando a alta. Os resultados foram apresentados em reunião do Conselho Paritário Produtores/Indústria de Leite do Paraná (Conseleite-PR), realizado nesta terça-feira (25), de forma remota. O colegiado projetou uma oscilação positiva de 6,3%, com o valor de referência estimado em R$ 1,7245, para o leite entregue em maio a ser pago em junho. O índice é calculado a partir de todos os derivados comercializados e serve como base nas negociações entre produtores e as indústrias de leite.

O grande destaque do período analisado foi o queijo muçarela, cujos preços tiveram alta de 11,4% entre março e maio deste ano. Além disso, o produto respondeu por mais da metade (51,8%) do mix de comercialização. Ou seja, a valorização do item contribuiu para puxar para cima o valor de referência do leite. “Produto mais importante do mix, o muçarela teve reajustes expressivos nas últimas três semanas. A alta é maior do que projetamos no mês passado e, com isso, os preços ultrapassaram os patamares do início do ano”, observou o professor José Roberto Canziani, da Universidade Federal do Paraná (UPFR) e um dos responsáveis pelo levantamento.

O UHT ampliou sua participação, respondendo por 22% do mix de comercialização. Apesar de ter tido pouca valorização (1%), o produto também contribuiu com a oscilação do valor de referência do leite. Outros produtos que também tiveram peso significativo no mix, seguiram a mesma dinâmica e obtiveram valorização. É o caso do queijo prato, cujos preços subiram 5,5% e do leite em pó, com alta de 6,5%. Também representativo na cesta de itens, o leite spot permaneceu praticamente estável.

Nos produtos que tiveram comercialização menos expressiva, o desempenho também foi positivo, de forma geral. Entre os queijos, o provolone teve alta de 1,4% e o requeijão, de 3,35%. A bebida láctea, por sua vez, teve valorização de 9,4%, atingido o maior valor nominal em dois anos. O iogurte teve uma oscilação ainda maior, com os preços aumentando em 12,8%. A exceção foi o leite pasteurizado, que se manteve estável em relação aos preços praticados em março.

Apesar da recuperação do setor, os membros do Conseleite-PR destacaram que a alta dos custos de produção – principalmente, ante a disparada dos preços do milho – continuam preocupando os produtores e as indústrias. “Desde o ano passado, temos comentado que é um cenário de alerta. Temos que ter muita cautela e serenidade para atravessar essa tempestade, cujos efeitos devem se estender por pelo menos mais um ano”, observou o presidente do conselho, Ronei Volpi, que representa o Sistema FAEP/SENAR-PR no colegiado.

Fonte: Faep

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.