Homem e mulher do campo também precisam cuidar da saúde

Compartilhar

 

#souagro | Cuidar da saúde e realizar exames regulares também precisam ser uma prática constante do homem e da mulher do campo. Principalmente em um momento como o que estamos vivendo, por conta da pandemia do novo coronavírus. As consultas periódicas costumam ser um eficaz aliado contra doenças, principalmente em relação à prevenção.

Um dos exemplos dessa nova mentalidade no campo é a agricultora Erondina Pritsch, moradora da Linha Peroba, em Guaraniaçu. Para ter disposição e força para encarar o dia a dia na agroindústria voltada à produção de massas artesanais, Dina, como é mais conhecida, sempre procura estar com os exames em dia. O mesmo acontece com seus familiares. “A lida no campo é muito dura. Por isso, cuidar da saúde deve vir em primeiro lugar”, sugere a agricultora, que produz em sua propriedade pratos como tortéi, lasanha, macarrão, empadão, bolo, pastel, agnoline, entre outras variedades. A propriedade de dona Dina também faz parte de um circuito de turismo rural em Guaraniaçu e seus produtos ainda reforçam o cardápio nutricional das escolas, por intermédio da merenda escolar.

A diretora-administrativa da Clínica Acesso Saúde Cascavel/Toledo, Débora Fernanda Basso Rupp, comenta que desde a implantação do empreendimento há sete anos, um dos focos justamente foi garantir saúde de qualidade ao produtor rural. “Apesar dos vários fatores de risco para a saúde, como a exposição a temperaturas extremas, esforço repetitivo, manuseio de cargas, muitos dos agricultores ou agricultores não contavam com acessibilidade de condições facilitadas para cuidar do seu bem maior, a saúde”, comenta ela.

As temperaturas elevadas podem influenciar na saúde mental do agricultor, ocasionando ansiedade, insônia, irritabilidade, tensão, dores estomacais, entre outros sintomas. A exposição ao sol, remete a cuidados extras na prevenção de doenças de pele. Já o contato com chuva e frio, pode acarretar em doenças respiratórias.

O uso de maquinários em períodos prolongados, demandando maior esforço físico, geram dores musculares, articulares e queixas frequentes de dores nas costas.

Outro ponto importante: o produtor(a) tem  a falsa ideia de que não precisa praticar exercícios físicos, pelo fato de já realizaram diversas atividades no dia a dia na propriedade.  “No entanto, sabemos que o exercício físico que possibilita a melhora na flexibilidade, força, coordenação, resistência muscular e cardiorrespiratória.

Os cuidados com a alimentação de qualidade também são fundamentais, no sentido de proporcionar disposição, imunidade, prevenção do diabetes, obesidade e hipertensão. “A prevenção sempre custa menor que o tratamento”.

(Vandré Dubiela)

 

VEJA TAMBÉM

Estiagem, geada e neblina. Será? Veja como fica a previsão do tempo

Crédito: O insumo mais importante do agronegócio

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.