Brasil e China discutem ações para a agricultura

Compartilhar

Representantes do governo, setor produtivo e sociedade civil do Brasil e China se reuniram a partir desta quinta-feira (20) para discutir a sustentabilidade na agricultura. A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, participou, da abertura do Diálogo Brasil-China sobre o tema, em evento online, realizado pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) e o think tank chinês Institute of Finance and Sustainability (IFS).

“A sustentabilidade é um conceito inerente à agropecuária do Brasil. Investimentos, nos últimos 50 anos, em ciência e inovação permitiram a adaptação altamente produtiva de variedades de plantas e animais aos trópicos. A intensificação sustentável, com produção integrada de grãos, carnes e florestas, possibilitou a realização de duas, ou mesmo três, safras por ano na mesma área”, declarou a ministra brasileira.

A China é o principal parceiro do agronegócio brasileiro, tendo o Brasil como um dos mais importantes fornecedores de alimentos para a população do país asiático. “Construímos uma relação de confiança na entrega perene, com qualidade, inocuidade e sustentabilidade, em escala suficiente para contribuir com a segurança alimentar da China”, complementou Tereza Cristina sobre a parceria sino-brasileira.

A sustentabilidade na agropecuária é um tema de fundamental importância para ambos os países, que buscam conciliar segurança alimentar e preservação do meio ambiente com uso de inovações tecnológicas e aumento da produtividade. É o que destacou o ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China, Tang Renjian.

“Promover a sustentabilidade depende de uma cooperação internacional baseada em boa-fé, confiança mútua e benefício recíproco. O Brasil é o primeiro país em desenvolvimento a criar uma parceria estratégia com a China e também um importante parceiro no agronegócio”, disse.

O evento vai explorar potenciais formas de cooperação entre os dois países nessas áreas e apresentar práticas corporativas ligadas à agricultura sustentável. Ao longo de dois dias serão realizados quatro painéis sobre assuntos fundamentais para a cooperação sino-brasileira: finanças verdes, agricultura sustentável, biodiversidade e economia circular.

Também será discutida a relação entre agricultura sustentável e biodiversidade, considerando-se que a China sediará em outubro a COP15 sobre Diversidade Biológica das Nações Unidas.

 

Baixa emissão de carbono

A produção agropecuária com baixa emissão de gases de efeito estufa já é realidade no Brasil e foi apresentada pela diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação do Ministério da Agricultura, Mariane Crespolini.

De importador de alimentos básicos na década de 1970, o Brasil, atualmente, é considerado o celeiro do mundo, responsável pela alimentação de mais de 1 bilhão de pessoas em 180 mercados. A cada quatro pratos de comida servidos no mundo, um conta com ingredientes originários do Brasil.

Para manter tamanha produção sustentável, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) desenvolveu o Plano Agricultura de Baixo Carbono (ABC), que, na última década, permitiu ultrapassar a meta de mitigação de carbono na produção agrícola, atingindo 50 milhões de hectares. Ou seja, 20% da área cultivada brasileira passaram a adotar práticas de baixa emissão de gases de efeito estufa a partir de tecnologias como integração lavoura-pecuária-floresta, plantio direto e fixação biológica de nitrogênio.

O Plano ABC foi atualizado até 2030 e busca avançar nas soluções tecnológicas sustentáveis para a produção no campo e a melhoria da renda do produtor rural, com foco no enfrentamento da agropecuária às mudanças do clima. “Chamado de Plano ABC+, é uma forma de estreitar as relações bilaterais e econômicas”, ressaltou Crespolini.

Outra ação citada no evento foi a certificação “Carne Carbono Neutro”. Produtos com esse certificado já estão disponíveis nas gôndolas dos supermercados e é garantia de que o gado é criado com manejo adequado das pastagens e em áreas com árvores plantadas (integração lavoura-pecuária-floresta), neutralizando, assim, o metano exalado pelos animais, além de conferir maior bem-estar animal.

Na sexta-feira (21), o secretário-adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Ministério, Cléber Soares, participa do painel Agricultura Sustentável e Biodiversidade.

Fonte: MAPA / Foto: Antonio Araujo/Mapa

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.