Produtor retém o estoque de milho esperando valorização ainda maior

Compartilhar

 

#souagro | O milho vive dois extremos e situações nunca vistas historicamente. De um lado, a cotação da saca de 60 quilos atinge um patamar de R$ 100. Do outro, o valor tem provocado um desequilíbrio na cadeia de proteína animal, principalmente em relação a aves e suínos. O milho e a soja, são os principais insumos utilizados para suprir a carência alimentar dos animais.

O economista e analista de mercado da Granoeste, Camilo Motter, faz uma análise do cenário atual e o que vem por aí. “Vivemos um momento inédito em relação à formação de preços do milho. Temos uma combinação positiva tripla”. A primeira, segundo ele, envolve a taxa cambial, que subiu 40% e não há sequer sinal de que ela regrida. Em segundo lugar, a influência dos preços internacionais, que desde setembro do ano passado, subiram 60% e a terceira combinação positiva para a formação do preço do milho é a demanda chinesa. Para ser ter uma ideia, em 2020 a China importou 7 milhões de toneladas de milho. Para esse ano, a perspectiva é de chegar a 25 milhões de toneladas, ou seja, três vezes mais.

Lavoura de Milho em Jesuítas, Oeste do PR, sofre com a seca

Motter confirma a redução de alojamento de animais, tanto de aves como de suínos. Isso ocorre por conta dos insumos e para que o repasse dos aumentos não chegue agora ao consumidor. Com relação às exportações, com a alta do câmbio e o aumento do preço das carnes no mercado internacional, boa parte da produção será destinado ao exterior.

“Os preços não devem cair, o que acho bem pouco provável, se haver uma boa segunda safra no Brasil, atualmente uma possibilidade um pouco distante por conta das intempéries climáticas atribuídas ao clima seco e à falta de armazenamento hídrico no solo”.

 

Com saca de milho beirando R$ 100, custo de produção assusta produtor

Cigarrinha do milho deixa o campo em alerta

Os problemas climáticos não se restringem apenas ao Brasil. Os Estados Unidos também se deparam com previsões não muito animadoras. “As temperaturas baixas deverão afetas o cinturão produtor americano, situação ao norte daquele país”.


Ainda sobre o Brasil, daqui até a entrada da safrinha, teremos um período bem crítico no que diz respeito ao abastecimento interno de milho. “O produtor tem retido o milho, por conta das altas constantes no preço e devido às questões de clima. Ele enxerga uma perspectiva melhor de preços nos próximos meses. Outro ponto: ele está bastante capitalizado, porque vendeu a soja a preços bons e um volume de soja antecipado muito maior, fazendo com que ele adote essa postura de retenção”.
(Vandré Dubiela)

Fotos: Sueli Bortoletto

 

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.