Nova Ferroeste apresentada a investidores estrangeiros

Compartilhar

 

O Governo do Estado promoveu nesta semana a primeira rodada de conversas com investidores internacionais sobre a Nova Ferroeste. Esta é mais uma etapa para a viabilização do projeto do corredor de exportações que deverá ser o segundo maior do País. Nova Ferroeste apresentada a investidores estrangeiros.

O Grupo de Trabalho do Plano Estadual Ferroviário (GT Ferrovias) esteve reunido com representantes da companhia ferroviária Russian Railways (RZD) para apresentar o projeto que pretende implantar a nova malha ferroviária que terá 1.285 quilômetros de extensão total, ligando Maracaju (MS) ao Porto de Paranaguá.

O diretor da Divisão para América Latina da RZD International, Andrey Grebenyuk, ressaltou a Nova Ferroeste como uma oportunidade única e viu com entusiasmo a qualificação do projeto como sustentável, assim como os números econômicos que a qualificam, segundo ele, na vanguarda dos empreendimentos de infraestrutura no Brasil.

“Estamos impressionados com os resultados apresentados nos estudos preliminares da Nova Ferroeste. Sem dúvida, um projeto construído com o propósito da sustentabilidade e ao mesmo tempo rentável para o investidor estrangeiro”, afirmou o diretor da RZD. No encontro, o grupo sinalizou interesse em estabelecer parcerias com empresas brasileiras na viabilização do projeto.

Para o Luiz Henrique Fagundes, coordenador GT Ferrovias, a reunião foi fundamental para que a empresa, que é referência mundial no modelo de transporte, compreendesse a dimensão da importância para o desenvolvimento do agronegócio no País.

Ele entende que a avaliação da RZD é uma validação do empreendimento para o mercado e comemora. “Estamos falando de um investidor internacional com alta experiência no mercado ferroviário. O Brasil hoje administra aproximadamente 20 mil quilômetros de trilhos, enquanto a RZD administra em torno de 85 mil. Portanto, a opinião deles ao analisarem tecnicamente os primeiros resultados de traçado e demanda foi muito importante, principalmente porque eles se mostraram admirados com nossos resultados”, afirma Fagundes.

O governo pretende continuar as conversas com os investidores estrangeiros e já articula para as próximas semanas encontros com empreiteiras italianas, empreendedores chineses e ingleses.

A expectativa é que os estudos de viabilidade da Nova Ferroeste sejam finalizados em setembro e os estudos de impacto ambiental em novembro. Com isso, a ideia é colocar a ferrovia em leilão na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com sede em São Paulo, logo na sequência. O consórcio que vencer a concorrência será também responsável pelas obras. O investimento estimado é de R$ 20 bilhões.

 

Corredor de transporte de grãos

O projeto busca implementar o segundo maior corredor de transporte de grãos e contêineres do País, unindo dois dos principais polos exportadores do agronegócio brasileiro. Apenas a malha paulista teria capacidade maior.

Pelo planejamento, será construída uma estrada de ferro entre Maracaju, maior produtor de grãos do Mato Grosso do Sul, até Cascavel, no Oeste Paranaense. De lá, o trem segue pelo atual traçado da Ferroeste com destino a Guarapuava – os 246 quilômetros de ferrovias atuais serão modernizados –, até se ligar a uma nova ferrovia que vai da região Central do Estado ao Porto de Paranaguá, cortando a Serra do Mar. Há previsão, ainda, de um novo ramal entre Cascavel e Foz do Iguaçu.

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.