Demanda pelo trigo leva Chicago à máxima em mais de oito anos

Compartilhar

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para demanda pelo trigo encerrou com preços acentuadamente mais altos. O mercado chegou a subir a US$ 7,45 1/2 por bushel na posição maio, o maior nível desde 19 de fevereiro de 2013.

A disparada foi impulsionada pelo clima adverso nos Estados Unidos. Além disso, segundo o Commerzbank, o trigo está competindo com o milho e a soja no uso para a ração animal. As informações são da Agência Reuters. A boa demanda pelo grão estadunidense também atuou positivamente.

As inspeções de exportação norte-americana de trigo chegaram a 564.047 toneladas na semana encerrada no dia 22 de abril, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava o número em 515 mil toneladas.

Na semana anterior, as inspeções de exportação de trigo haviam atingido 626.670 toneladas. Em igual período do ano passado, o total inspecionado fora de 506.700 toneladas. No acumulado do ano-safra, iniciado em 1o de junho, as inspeções somam 22.599.479 toneladas, contra 22.508.623 toneladas no acumulado do ano-safra anterior.

No fechamento de hoje, os contratos com entrega em maio de 2021 eram cotados a US$ 7,39 1/2 por bushel, alta de 29,25 centavos, ou 4,11%, em relação ao fechamento anterior. Os contratos com entrega em julho de 2021 eram negociados a US$ 7,39 1/2, alta de 27,25 centavos de dólar, ou 3,82%, em relação ao fechamento anterior.

Fonte: Agência SAFRAS / Foto: Sou Agro

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.