Preços do boi seguem firmes, aumentando dificuldades

Compartilhar

 

O preço do boi gordo registrou preços firmes e poucos negócios ao longo da semana. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o quadro de restrição de oferta permanece dominante em grande parte do país, cenário que não deve apresentar mudanças contundentes ao longo do mês de abril.

“Os frigoríficos ainda se deparam com grande dificuldade na composição de suas escalas de abate, que seguem posicionadas entre dois e três dias úteis, em média”, assinalou Iglesias.

O contraponto permanece na situação da demanda doméstica de carne bovina, bastante tímida neste momento, o que conforme Iglesias, as dificuldades macroeconômicas serão recorrentes no decorrer deste ano, dada a situação da pandemia em muitos estados, exigindo medidas mais restritivas que tendem a tardar a retomada da economia. Nesse tipo de ambiente a lógica de mercado remete ao consumo de produtos que causem um menor impacto na renda média, e no caso do setor carnes a demanda vai em direção principalmente à carne de frango.

 

Comparativos

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade a prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 25 de março:

  • São Paulo (Capital) – R$ 316,00 a arroba, contra R$ 315,00 a arroba em 18 de março, subindo 0,32%.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 309,00 a arroba, ante R$ 304,00 a arroba, subindo 1,64%.
  • Goiânia (Goiás) – R$ 300,00 a arroba, estável.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 305,00 a arroba, contra R$ 302,00 a arroba (0,99%)
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 305,00 a arroba, contra R$ 300,00 a arroba (0,66%).

 

Exportação

As exportações de carne bovina fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 406,9 milhões em março (15 dias úteis), com média diária de US$ 27,13 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 88,77 mil toneladas, com média diária de 5,92 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.583,80.

Em relação a março de 2020, houve alta de 7,92% no valor médio diário da exportação, ganho de 3,43% na quantidade média diária exportada e valorização de 4,34% no preço médio.

Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS

 

Veja também:

Trigo de pastejo é alternativa para aumentar produção de leite

PR: avicultura preocupada com abastecimento de milho

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.