Porto de Paranaguá coopera com Interpol em operação contra poluição marítima

Compartilhar

 

Peritos criminais e agentes da Polícia Federal no Paraná, sob a coordenação do delegado-chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e o Patrimônio Histórico, Felipe Hayashi, estiveram sexta-feira (19) no Porto de Paranaguá para receber informações e conhecer algumas operações de rotina que estão entre as monitoradas pela Diretoria de Meio Ambiente da Portos do Paraná.

“Além de fornecer os dados brutos de monitoramentos ambientais, para que possamos cruzar os dados com outras ações nas quais estão envolvidos, também colaboramos mostrando como a Portos do Paraná realiza as suas fiscalizações de rotina com o objetivo de evitar a contaminação do mar”, afirma o diretor de Meio Ambiente da Portos do Paraná, João Paulo Ribeiro Santana.

Como explica o delegado Felipe Hayashi, o foco da operação é combater e prevenir a poluição marítima, seja ela causada por navios e instalações offshore, seja praticada em terra e rios ou decorrente do tráfico de resíduos pelos portos.

A Interpol, por meio do “Pollution Crime Working Group” (PCWG) deu início a essa modalidade de ação global no ano de 2018, sendo esta a terceira operação internacional, cujo planejamento iniciou-se em 2020. O Brasil, junto com países das Américas do Norte, Central e do Sul, Europa, Ásia-Pacífico, África e Oriente Médio, está executando a operação “30 Days at Sea 3.0” durante este mês de março.

“O Litoral do Paraná é uma área que exige um mapeamento de risco para que esse controle seja cada vez mais intenso, em termos de fiscalização e gerenciamento de riscos ambientais”, acrescenta Hayashi.

Sobre a cooperação da Portos do Paraná, no compartilhamento dos dados ambientais, o delegado diz ser importante para que a Polícia Federal possa identificar e agir de forma rápida, caso seja detectado eventual crime.

Além da Polícia Federal, também estão envolvidos na ação, no Paraná, a Marinha, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ICMBio. Além da Portos do Paraná, no Estado, ainda cooperam com a ação o Instituto Água e e Terra (IAT), a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Sanepar.

No Porto de Paranaguá, foram três os focos de interesse da Polícia Federal. Primeiro, o grupo acompanhou a operação de retirada de fertilizantes de um navio, verificando a disposição de meios de se evitar a queda de grãos na água. Também conferiu a proteção de bocas de lobo durante essa descarga, para que o fertilizante que eventualmente caia ao chão, possa ser varrido e não seja carreado para dentro das galerias de drenagem pluvial.

Na segunda ação, acompanharam a remoção de resíduos sólidos de um navio que descarregava no cais. Na sequência, verificaram a atividade de monitoramento da água de lastro de uma outra embarcação que carregava granéis sólidos para exportação. A fiscalização da água de lastro, segundo Hayashi, também é foco da operação. “Essa água precisa de tratamento. Não pode ser lançada sem controle, sob risco de trazer espécies exóticas e poluição”, afirma.

 

Fonte: AEN

 

Foto: Portos do Paraná

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.