ESPECIAIS

Novo modelo do pedágio vai gerar impacto de 3,7% no PIB paranaense

Compartilhar

 

#souagro | Ao participar na noite de terça-feira de uma Live no instagram @portalsouagro com apresentação da jornalista Sirlei Benetti, o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento, engenheiro agrônomo e empresário Rainer Zielasko, abordou o novo modelo do pedágio e os impactos no agronegócio.

O Ministério da Infraestrutura e a Agência Nacional de Transporte Terrestre prevê uma arrecadação de R$ 156 bilhões em 30 anos, com investimento previsto de R$ 42 bilhões, ou seja, 27% deste total. Com base nesses valores, a empresa vencedora da licitação arrecadará por ano R$ 5,2 bilhões, impactando em 3,7% no PIB paranaense, conforme cálculos apresentados por Rainer Zielasko. Para o agricultor compreender melhor: em uma saca de soja cotada a R$ 160, vai custar R$ 6 por saca. Já em relação ao milho, para uma saca custando R$ 80, serão R$ 3 por saca destinados ao pedágio.

 

Modelo do pedágio

O novo modelo do pedágio em discussão é para um pedágio com concessão de três décadas. “Sofremos muito nos últimos 24 anos e não podemos cometer os mesmos erros. Foram muitas promessas de duplicações, obras e em suma, o que ocorreu foram os pedágios mais caros do Braisl”, descreve Zielasko.

O setor agropecuário pagou muito caro, segundo ele, pois os produtores que a região transporta não são de alto valor agregado, pelo contrário, são matérias-primas e alguns industrializados.

“Quando falamos em transparência nos pedágios, é com respeito à montagem do sistema e não no momento da licitação na bolsa de valores. Todos precisam participar agora, conclamar a população para saber o que está acontecendo”.

 

Modal de transportes

Rainer Zielasko sabe de a necessidade do Paraná contar com os pedágios para facilitar o modal de transportes. “O nosso imposto deveria nos proporcionar essa contrapartida com estradas e rodovias, mas não adiantar sonhar com isso, pois as entidades públicas e os governos federal e estadual não têm dinheiro para isso, por estarem com a máquina pública inchada, inviabilizando as nossas necessidades nos transportes ferroviária e rodoviário”.

O presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento espera que a empresa vencedora da licitação execute as obras e cobre um pedágio que garanta isonomia para o Paraná. “E não é o que está previsto. O que está se propondo é um pedágio caro, com um custo até três vezes mais elevado que os estados vizinhos, refletindo na falta de competitividade e de atratividade de novos investimentos”.

 

Confira a entrevista completa clicando no vídeo abaixo:

 

Portanto, o Programa Oeste em Desenvolvimento defende um pedágio sem outorga, que seja escolhida a empresa que apresentar o menor preço, ou seja, que dê entre 50% a 60% de desconto nas tarifas e quando entregar as obras, a outorga seja justa, entre 25% e 30%.

 

Foto: Arquivo ANPr

 

Veja também

 

Pedágio no Paraná: FAEP defende menor tarifa e obras no curto prazo

PIB do agro para 2021 deve ser de 2,2%, segundo IPEA

Será que arrendatário tem direito de compra da área?

 

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.