Negócios arrastados no mercado interno pressionam cotações do suíno

Compartilhar

 

A suinocultura brasileira apresentou um ambiente de negócios bastante arrastado ao longo da semana, segundo a avaliação do analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia.

Ele explica que os frigoríficos se mostraram cautelosos na compra de animais, alegando que o escoamento da carne está lento e com uma perspectiva negativa para o curto prazo devido as medidas restritivas de mobilidade social vigentes em vários estados. Além disso, a descapitalização das famílias se mostra presente e tende a continuar pesando nas próximas semanas. “Esses fatores acabaram sendo determinantes para um declínio nos preços do quilo vivo do suíno bem como nos cortes de carcaça e de pernil vendidos no atacado”, analisa.

Maia ressalta ainda que produtor está preocupado com a pouca força de baganha para o quilo vivo, uma vez que o custo de produção permanece com uma tendência de alta. “O milho, um dos principais componentes desta conta, sofre com restrição de oferta, com produtores focados na colheita da soja e sua logística”, sinaliza.

Levantamento semanal de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil baixou 5,88%, de R$ 6,65 para R$ 6,26. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado caiu 0,53%, de R$ 12,21 para R$ 12,14. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,64, perda de 0,64% frente ao fechamento da semana passada, quando era cotada a R$ 9,70.

O alento, por outro lado, está no bom desempenho dos embarques no começo de março. As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 52,586 milhões em março (5 dias úteis), com média diária de US$ 10,517 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 21,135 mil toneladas, com média diária de 4,227 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.488,00.

Em relação a março de 2020, houve alta de 48,39% no valor médio diário da exportação, ganho de 46,92% na quantidade média diária exportada e valorização de 1,00% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo baixou de R$ 143,00 para R$ 128,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo caiu de R$ 5,90 para R$ 5,80. No interior do estado a cotação mudou de R$ 7,15 para R$ 6,50.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração retrocedeu de R$ 6,00 para R$ 5,95. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 7,10 para R$ 6,60. No Paraná o quilo vivo teve queda de R$ 7,25 para R$ 6,75 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo teve retração de R$ 6,00 para R$ 5,85.

No Mato Grosso do Sul a cotação em Campo Grande mudou de R$ 6,40 para R$ 5,75, enquanto na integração o preço caiu de R$ 5,80 para R$ 5,70. Em Goiânia, o preço baixou de R$ 7,10 para R$ 6,40. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno retrocedeu de R$ 7,00 para R$ 6,50. No mercado independente mineiro, o preço passou de R$ 7,10 para R$ 6,50. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis caiu de R$ 5,95 para R$ 5,75. Já na integração do estado o quilo vivo passou de R$ 5,90 para R$ 5,70.

Fonte: Agência SAFRAS

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.