ESPECIAIS

Milho: Ortigara faz apelo à ministra por compartilhamento de risco

Compartilhar

 

#souagro | Comprovando usufruir de credibilidade no agro paranaense, o Portal Sou Agro teve a satisfação de receber na noite desta quarta-feira (3), por meio de uma Live transmitida pelo Instagram @portalsouagro, o secretário de Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, tendo na interlocução a jornalista e idealizadora do portal, Sirlei Benetti.

“O agro é um setor dinâmico da agricultura brasileira, dos mais abusados, o único que apresentou crescimento em um ano atípico como 2020, apresentando evolução de 2%”, destacou o Ortigara, acrescentando: “De cada R$ 100 produzidos no Paraná, R$ 34 é fruto do agronegócio”.

Ele destacou o desempenho da pecuária em 2019, que pela primeira vez na história superou a agricultura e o setor florestal. O Paraná produz entre 300 e 400 produtos, responsáveis por uma movimentação financeira de R$ 100 bilhões em 2019. A expectativa com base em levantamento a ser apresentado nos próximos dias com relação a 2020, é de atingir a soma de R$ 120 bilhões. “Nós (Paraná) geramos mais valor por hectare do que a média dos outros estados brasileiros”, aponta.

 

Clique no vídeo e acompanhe a entrevista na íntegra a entrevista exclusiva com o secretário de Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Anacleto Ortigara:

 

Soja vive momento incomum

Em relação à soja, enfrentamos um momento incomum. Nesta época do ano, tudo já estaria colhido. Mas não é o que vem ocorrendo. O atraso no plantio em meados de setembro por conta da estiagem levou os produtores postergar a semeadura. “Enfrentamos a pior crise hídrica da história em todo o Estado. Já testemunhei 43 safras de soja e nunca nos deparamos com tantos problemas”, disse o secretário. “Ao semear a soja com atraso, deixamos de explorar o potencial d e diversos grupos de cultivares. Há situações muito piores de produtores obrigados a replantar a cultura”. Segundo ele, “a desgraça de hoje foi plantada em meados de setembro”, quando os agricultores ficaram impossibilitados de plantar na época recomendada, por conta do clima desfavorável.

Para Ortigara, o atraso da colheita da soja é o grande vilão dos problemas com o milho. “Era para a região oeste do Paraná já apresentar entre 80% e 90% da soja colhida, mas não chegamos nem a 25%, em uma área total de 5,5 milhões de hectares”. De qualquer forma, a expectativa de colheita no Brasil é de 133 milhões de toneladas. Deste total, mais de 20 milhões de toneladas do Paraná. “Uma safra exuberante, com preços bons”.

 

Encontro com a ministra

A tão aguardada audiência com a ministra da Agricultura, engenheira agrônoma Tereza Cristina, aconteceu nesta quarta-feira, na presença de diversas autoridades do setor cooperativista e da Conab.

De acordo com o secretário estadual Norberto Ortigara, o Brasil e o Paraná “são muito dependentes da segunda safra”. O consumo é crescente e as cadeias alimentares precisam muito desse insumo, para atender a produção de porco, frango, peixe e o rebanho leiteiro. “O mercado internacional quer o nosso milho e a estimativa é a de exportar acima de 35 milhões de toneladas de grão de milho”.

A cadeia alimentar da pecuária está prestes a sofrer um baque grande. Em virtude do atraso no plantio da soja, ocorreu atraso na colheita, empurrando a semeadura do milho para o fim da janela ou para um período sem janela, de escuridão”. Nesta semana, o milho chegou a 28% plantados em uma área total de 2,3 milhões de hectares no Estado. “Nem um terço plantando, isso é algo inimaginável para o mês de março, pois em ano anteriores, nessa mesma época, o plantio já havia atingido 70% da área plantada”, compara o secretário.

O impasse a agora é com relação ao rigor técnico e depois de várias tentativas de ajustes no zoneamento climático. “Não é porque atrasou que vou mudar o zoneamento, dando a conotação de perda de credibilidade no mercado”. Ortigara conta que no encontro com a ministra, buscou o compartilhamento do risco do milho safrinha. “A ministra não quis nos dar uma resposta imediata e pediu até sexta-feira para se manifestar sobre esse cenário e o pedido de dilatação do prazo para mais 10 dias de zoneamento”. A semeadura do milho também está atrasada no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais. Ortigara antecipa não acreditar na mudança do zoneamento por parte da ministra, “a não ser que haja uma surpresa interessante para esse apelo”.

O secretário estadual Norberto Ortigara revela que todos os presentes quase imploraram um compartilhamento de risco com o governo federal. Uma coisa é certa: os custos dos seguros aumentaram em virtude dos fatores de risco. (Vandré Dubiela/Sirlei Benetti)

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.