ESPECIAIS

Medidas restritivas da pandemia derrubam vendas de peixes em 30% na Semana Santa

Compartilhar

 

#souagro |Pela primeira vez na história, o consumo de peixes na Semana Santa vai apresentar queda acentuada. As medidas restritivas da pandemia derrubam as vendas de peixes em 30%. A estimativa é do presidente da Aquioeste, o produtor de peixes Valcir Zanini.

A pandemia tem influenciado neste novo comportamento do consumidor. “As pessoas estão conscientes e não estão saindo de casa, evitando de ir ao mercado e à feira para adquirir os produtos”, destaca Zanini. “Esse é um ponto muito positivo em relação à evitar novos contágios, mas a economia como um todo tem sentido isso e os produtores de peixe também têm sentido na pele os reflexos causados por essas restrições”. Segundo ele, o peixe precisa ser consumido fresco e com o passar dos dias, o apelo comercial e de procura acaba ficando comprometido”.

Não fosse a pandemia, o consumo neste período seria muito maior. “Em outros tempos, as famílias se reuniam para o congraçamento, para preparar um almoço mais elaborado. Entretanto, agora, todos têm optado por um cardápio mais simples”.

 

C. Vale e Copacol levam o Paraná a ampliar liderança na produção de tilápia

Paraná é o maior produtor de peixes do Brasil

 

Não fosse a pandemia, a ideia inclusive era a de promover uma Feira do Peixe Vivo, para estimular ainda mais o consumo e as vendas. Porém, o número de casos e infecções pelo novo coronavírus subiram, frustrando todas as expectativas em torno dessa proposta.

A Aquioeste foi fundada em 23 de abril de 2018. Conta atualmente com 48 associados e com pouco mais de 50 em fase de licença ambiental para escavar os tanques para implantação dos açudes. A associação envolve Cascavel e municípios circunvizinhos. O Instituto Emater já treinou mais de 150 produtores de peixe junto ao Sindicato Rural de Cascavel, que cedeu uma sala para a associação.

O número de associados ligados à Aquioeste no momento responde por 60 hectares de lâmina d´água, com produção estimava de 300 mil tilápias/ano. Mas segundo levantamento recente, Cascavel teria condições de ampliar essa área para 600 hectares, elevando o potencial de produção para três milhões de quilos peixes/ano.

Produtor de peixes em uma área modelo em Cascavel, André Heitor Costi Neto, trabalha com uma média de 25 mil peixes totalizando uma média final de 15, a 16 mil quilos “Apesar da pandemia dificultar um pouco o cenário, a população tem procurado optar por produtos de qualidade”. (Vandré Dubiela)

Confira a entrevista concedida pelo piscicultor André Heitor Costi Neto ao Portal Sou Agro:

 

Foto: Jonathan Campos/AEN

 

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.