ESPECIAIS

Agronegócio quer iniciar produção de vacina contra a Covid-19

Compartilhar

 

Instigado pelo Ministério da Agricultura, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) colocou à disposição do governo, para a produção de vacina contra a covid-19, as quatro unidades instaladas no país dedicadas à fabricação de vacinas contra a febre aftosa, doença que, até a década de 1990, era comum no rebanho bovino brasileiro.

Tanto no caso da aftosa quanto da Coronavac, por exemplo, as vacinas são inativadas, produzidas a partir de vírus morto. Assim, explica Emílio Salani, vicepresidente executivo do Sindan, a tecnologia e os procedimentos envolvidos são similares. Segundo ele, se o sinal verde para a colaboração fosse dado hoje, em cinco meses as fábricas de vacinas contra a febre aftosa já poderiam estar produzindo também vacinas contra a covid-19.

Dois estados produtores

Das quatro unidades aptas a produzir as vacinas que permitem a imunização do rebanho bovino brasileiro – e, com isso, mantêm os mercados internacionais abertos para a carne brasileira -, três estão em operação: a da Ourofino em Ribeirão Preto (SP), a da MSD em Montes Claros (MG) e a da Ceva em Joatuba (MG). A quarta fábrica, situada em Paulínia (SP), pertence atualmente à Boehringer, mas está desativada.

Segundo Salani, das três plantas em operação saíram as 262 milhões de doses de vacinas contra a aftosa aplicadas no rebanho brasileiro no ano passado. A vacinação dos animais é realizada por meio de duas campanhas anuais, em maio e em novembro.

A vacinação ocorrerá na maior parte dos Estados, exceto no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, Paraná, Rondônia, Acre, parte de Mato Grosso e parte do Amazonas, pois Santa Catarina já é um Estado que tem status internacional de área livre de aftosa sem vacinação, enquanto os demais estão tentando conquistá-lo.

Tecnologia em favor da saúde humana

Nenhum outro país do mundo vacina tantos bovinos há tanto tempo quanto o Brasil, e esse pode ser um trunfo neste momento, segundo Salani que enfatiza que “Nosso parque fabril é biosseguro e validado pelo governo, e a indústria domina a tecnologia. O Sindan pode fazer a ponte entre quem tiver interesse em produzir e as indústrias de saúde animal capacitadas”, afirmou.

Essa colaboração não prejudicaria a produção de vacinas contra aftosa, por causa da sazonalidade e do fato de a capacidade nominal de produção de vacinas contra a aftosa ser de 500 milhões de doses por ano.

Salani conta que já houve reuniões entre o Sindan e o Instituto Butantan sobre essa possível colaboração, mas nenhuma decisão ainda foi tomada nesse sentido, uma vez que, no fim de semana, o senador Wellington Fagundes (Partido Liberal-MT), que é médico veterinário e relator da comissão no Senado da covid-19, acionou a diretoria do Sindan, gostou do que ouviu e levou a proposta para o Congresso.

Próximos passos

O senador se reuniu esta semana com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que apoiou a proposta. A interlocução também deverá ser mais fácil com a troca no comando do Ministério da Saúde.

Segundo ele, a autorização para a produção no país não envolve a discussão sobre a quebra de patentes das vacinas, pois acordos internacionais preveem a transferência de tecnologia. Em vez de importar o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), os laboratórios precisariam apenas da célula-mãe, o que facilitaria o processo no país.

“É situação de guerra, não dá para ficar amarrado na burocracia. Não existe vacina produzida disponível no mundo. Não podemos paralisar a importação, e precisamos nos preparar para produzi-las em curto espaço de tempo”, disse Fagundes ao Valor.

Na segunda-feira (29), representantes da Anvisa, do Ministério da Agricultura e do Sindan se reunião para tratar do assunto. Procurada, a Anvisa, informou que prefere esperar a reunião para se posicionar sobre a proposta.

Fonte: Valor Econômico
Veja também:

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.