Agroindústrias familiares se adaptam às legislações sanitárias e ambientais

Compartilhar

 

A regularização é um passo importante para que as agroindústrias familiares consigam expandir seu público consumidor. Na região de Guarapuava, os extensionistas do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater) acompanham diversos empreendedores rurais para que eles consigam acessar o mercado formal. Desde o ano passado, cerca de 70 agroindústrias foram regularizadas na região.

O município de Cantagalo tem se destacado na região quando se fala em agroindústrias.  Há uma grande diversidade de produtores que trabalham com produtos de origem animal (mel, derivados de leite e ovos) e quatro agroindústrias estão finalizando o processo de legalização. “Quando o agricultor toma a decisão de legalizar a sua produção, é importante iniciar um planejamento que vai abordar todas as etapas para que a agroindústria consiga entrar no mercado”, ressalta a extensionista Estella Paula Galina, do IDR-Paraná de Guarapuava. Ela lembra que é preciso planejar a construção ou reforma da estrutura existente para atender às exigências legais. Estella destaca que ao formalizar a agroindústria, o produtor deve verificar a necessidade de contratação de mão-de-obra, além de organizar a documentação para encaminhar aos órgãos de fiscalização.  Outra exigência é obter o licenciamento ambiental para o funcionamento da empresa.

 

Aspectos conjuntos

Mesmo se tratando de um empreendimento familiar, no meio rural,  é preciso ter um responsável técnico que responda pela agroindústria. Os produtos devem ter uma rotulagem adequada, contendo informações como ingredientes e data de validade. “São muitos aspectos que devem ser construídos num trabalho conjunto do agricultor com o extensionista”, ressaltou Estella.

O IDR-Paraná desenvolve o projeto Agroindústria Familiar em todo o estado. Por meio do trabalho de estruturação e regularização dos empreendimentos rurais, os extensionistas possibilitam que esses produtos cheguem a mercados antes inacessíveis. “A ampliação do mercado consumidor gera um aumento de renda das famílias, diversifica a produção, incentiva a utilização de mão de obra de mulheres e jovens. Outro fator importante é que  as agroindústrias familiares dinamizam o mercado local e regional, pois normalmente esses produtos são comercializados dentro do município ou em cidades vizinhas”, concluiu Estella. Qualquer produtor interessado em legalizar sua agroindústria pode procurar informações com os extensionistas do IDR-Paraná do seu município.

 

VEJA TAMBÉM

Pedágio e ferrovia são os desafios de Alfredo Lang ao assumir a Cotriguaçu

Supervalorização dos grãos preocupa entidades avícolas

Venda do pinhão é liberada a partir de 1º de abril

Compartilhe em suas redes sociais:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Clique aqui e receba notícias do agronegócio em seu celular

Se conecte com nossas redes sociais:

Publicidade

Publicidade

Copyright © 2021 Sou Agro | CNPJ: 39.541.312/0001-48 — Todos os direitos reservados.

Sou Agro

AD BLOCKER DETECTED

Percebemos que você tem um adblocker habilitado que restringe os anúncios veiculados no site.

Please disable it to continue reading Sou Agro.